3 de março de 2008

Troglossexualidade II - As Explicações

(Gravura: deviantart.com)


Não posso me queixar. Eu já sabia que seria mal interpretado, e convenhamos, meio que forcei a barra para que houvesse uma certa celeuma. A surpresa fica por conta dos comentários duros, porém muito educados, finos até, quando eu achei que ouviria poucas e boas. Acho que as poucas e boas eu ouvirei ao vivo, na primeira oportunidade em que os politicamente corretos de plantão estiverem comigo. Que venham, macho que é macho não foge à luta! Mas antes disso, preciso explicar alguns pontos que ficaram nebulosos no último texto. Para começar, eu acredito que hoje em dia basta alguém falar alguma coisa que não seja considerada politicamente correta para que seja prontamente tachada de preconceituosa. É uma verdadeira caça às bruxas. Essa pessoa estará prontamente OUT. Para ser IN, há de repetir, como um papagaio, o que todas as ONG’s dizem que é correto, bom e saudável para você pensar. Não sou papagaio, tenho minhas idéias próprias e as defendo. Também não sou um monstro, não moro em uma caverna e não escolho minhas parceiras com uma clava. O que defendo, e talvez isso não tenha ficado muito claro, é o direito a ter a minha opção de ser um macho à moda antiga. Não gosto de certas atitudes modernas que são aceitas com a maior naturalidade por todos. Basta ter propaganda na TV, ou passar na novela, e todo mundo acha normal, bonito e aceitável, e ainda mais, todos nós somos quase que obrigados a agir daquela maneira, sob pena de sermos preconceituosos e coisa e tal. Não gosto de roupa rosa, por que deveria usar? Não gosto de passar creme no rosto, salvo gel pós-barba. Por que deveria usar creme anti-rugas? Não gosto de filme romântico. Por que deveria assistir? Não gosto de bichinho de estimação. Por que deveria ter um? Gosto de deixar a barba por fazer. Por que deveria fazê-la todo dia. Gosto dos pêlos do meu corpo. Por que deveria raspá-los? Não gosto de cores berrantes. Por que deveria usá-las? Não estou preocupado se os outros gostam e fazem do jeito deles. Problema deles, delas, de ambos ao mesmo tempo, não me incomoda ou fere o meu jeito de ser. Apenas deixem-me ser o que sou, não forcem a barra para que eu assuma comportamentos ou atitudes que não fazem parte da minha forma de ser, do meu pensar, sentir e agir. E também não esperem que eu fique quietinho como um cordeirinho enquanto tentam violar o que acredito ser um direito meu, o direito de ser um troglomacho e não um metrossexual moderninho. E por fim quero dizer o seguinte, macho que é macho fala o que pensa e pronto, e nem precisa se esconder atrás de uma máscara anti-sinais e de um pijama rosa.

12 comentários:

Alice disse...

Poucas e boas não precisam ser ao vivo:

Eu acho que seu texto é @#%$& e também acho que você é *&@#@#$ e também @$&*#&*$#@. Pronto - poucas e boas. :)

Todos têm direito a expressar opiniões e por isso criei esse blog e convidei pessoas de visão e boas idéias sobre o mundo. Politicamente corretos ou não, defendo apenas o direito dos outros. Direito de serem feios, arrogantes, vazios ou perfeitos. Não me sinto dona da verdade, tampouco politicamente correta e também não repito discursos feito um papagaio. Seu texto trouxe a sua visão e meu comentário (Falo só por mim ), trouxe a minha. Esse negócio de macho e fêmea é quase um assunto primitivo. Homens devem ser grosseiros então e mulheres devem ser cheias de estrias, celulite, rugas, devem ter cheiro de água sanitária nas mãos, roupas engorduradas, costura de cesariana na barriga, seios flácidos e naturais, trabalhar fora e ainda cuidar do marido e dos filhos para dar bom exemplo à sociedade. Eis o meu conceito de "politicamente corretos".

That's it, João.

Continua trazendo celeumas e vc sempre ouvirá poucas e boas.

"O mundo é bom"
HAHAHA...

João Neto disse...

KKKKKKKKKKK!!!!

That's it, Alice, that's it.

Mattoso disse...

"Não gosto de filme romântico. Por que deveria assistir? Não gosto de bichinho de estimação. Por que deveria ter um? Gosto de deixar a barba por fazer. Por que deveria fazê-la todo dia. Gosto dos pêlos do meu corpo. Por que deveria raspá-los? Não gosto de cores berrantes. Por que deveria usá-las?" (João Neto)
João não encare esse meu comentário como direto a você. Mas como um comentário de forma geral, sei que vai entender assim :).

Bom, diante dessas perguntas, dessa coisa de dizer sou assim e ninguém vai mudar e pronto, penso um pouco diferente. Eu também tenho meus gostos, também tenho minhas crenças, minha filosofia de vida, mas tem um grande porém no meio disso tudo. Vivo com outras pessoas, tirando todo o resto do mundo e sendo um pouco mais específica, vivo com uma outra pessoa, meu marido. Já pensou se eu só asssitisse filmes românticos, porque não gosto de filmes policiais, já pensou se eu não escutasse Nirvana, e pedisse pra Beto mudar seu estilo musical em casa porque eu não gosto do dele. Acho que tem coisas e coisas. Acho que devemos sim, ás vezes, fazer coisas que não gostamos, isso inclui tudo de uma forma geral, o que eu digo não é ser submissa, mas sim ceder. E abrangendo meu pensamento, não restringindo só ao casamento, devemos ceder, até o limite de que isso não nos machuque, não só no casamento, mas nas amizades, na família, no trânsito. A vida é assim. Não posso achar que tenho que viver do meu jeito, ser assim e não querer mudar. Afinal de contas eu não vivo numa ilha. E que as mudanças venham pra melhor.
Quanto as expectativas que a sociedade impõe, de termos que ser pessoas iguais as de propaganda, penso que não estou fugindo a regra por não querer ser um papagaio global, porque para isso não existem regras, elas só existirão a partir do momento que eu achar que elas são e eu começar a me incomodar por não ser um papagaio global.
Acho que a pessoa ter personalidade é maravilhoso. Mas ser individualista e autoritário aí não dá.

Mattoso disse...

Quanto á mim não mostrar minhas pernas, bundas e seios, só não mostro para o público porque não são públicas, mas se eu não me cuidar meu marido vai me trocar e se ele ficar barrigudo, carrancudo, "IGONOANTE" ( como dizem por aí) eu troco ele também. Vamos aproveitar a modernidade mas com saúde, sem excessos como todas as coisas boas que devem ser aproveitadas na vida.

Pan disse...

Ah, o direito... onde está ele?? O direito de ser quem somos, como somos, sem precisar dar satisfação, sem precisar pensar "oh, eu quis dizer isso, mas pensaram isso"... Pensaram? Problema sexual deles... =P Não sou uma mulher à moda antiga e acho o feminismo tão maléfico quanto o machismo. Como você disse: querem ser o que são? Ótimo! Então agora nos deixem em paz, não é mesmo? =]

Zélia Palmeira disse...

João,

Eu vou ter que falar por mim agora.Já que também entrei nessa,como sempre!Não acho que o seu texto tenha sido mal interpretado.Você colocou a sua opinião e nós(ou eu,para não falar por ninguém)colocamos a nossa.Eu só penso que esse incômodo que sentimos com certas coisas não vale a pena pra quem o sente.Já senti isso algumas vezes e há séculos deixei essa coisa pra lá.Devemos respeitar os outros e só!Quando não gosto de determinadas atidudes eu páro e penso em que que aquilo vai mudar a minha vida.Se não vai interferir em nada,que se dane!Sou bem assim! 8) A minha vizinha se acaba em uma academia de ginastica.E eu com isso?Meu cabelereiro anda mais perfumado e cheio de creme que eu.E eu com isso?Nem quero saber.Não é uma questão de "não estou nem aí pro mundo" mas acho que a gente vive melhor assim.Você apenas expressou uma opinião,eu a minha.Não reli meu comentário mas acredito que não me referi a voc~e como preconceituoso.E você até pode ser um homem à moda antiga mas você não anda sujo e nem fedorento.Além de nunca ter arrotado e nem coçado o saco na minha frente. ;)

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

João Neto disse...

Adorei isso tudo. Acho que esse é um dos propósitos de termos um blog. Expor nossas opiniões e debatermos assuntos que fazem parte do nosso cotidiano.

Acho que estamos fazendo tudo certo. Depois escrevo outro texto "polêmico"! KKKKKK!

valcir disse...

Não se explique, não peça desculpas e mude de opiniões quantas vezes quiser. Sugiro os próximos tópicos, extraídos de suas palestras no café: salvem os baleeiros; f*dam-se os pandas; arregacem o tibet.

Zélia Palmeira disse...

Valcir por aqui?! Valcir,Valcir?! Tenho certeza que sim!Em defesa do amigo,hein? kkkkkkkk Bem que vcs podiam formar o clube do Bolinha por aqui.Quem sabe Juljan não se anima pra aparecer mais também? Hehehehe!

Alice disse...

Zélia, Vc conhece o comentarista?! How come?

Zé Ricardo disse...

Assim não dá pra eu ficar na moita! Kkkkkkkkkkkk.
Vcs. estão dando uma de humoristas né? pôxa tá muito engraçado. Esse "novo" velho homem do João eu nunca tinha visto, mas a-d-o-r-e-i!!! (Ih adorar é coisa de Metro-sei-lá-o-que). Agora o Valcir postar de transgressor intelectual! ai é o que faltava pro mundo se tornar mais onanisticamente anarquico ! Kkkkkkkkkkk.
Tô com a mulherada, e vou pro peeling! hauá hauá hauá!!!

João Neto disse...

Valeu pela força, Valcir!!! Troglomachos unidos jamais fão peeling!!!!