23 de março de 2008

Do Que Se Pode Gostar

Foto por Gilad - deviantart.com


Gosto do sabor das letras
E da cor dos lábios que mentem
E gosto da prosopopéia infantil
Da batida de pé
Do receio travestido em segurança
E de lembranças carameladas com sal
Gosto do poema que alimenta
Da canção que subtrai
Das poucas noites em que consegui dormir
De ninfas esqueléticas gregas
E de filosofia em guardanapos azuis
Gosto do que se pode gostar
De escrever bobagens líricas
De sorrir sem compromisso
De ser lembrado em mesa de bar
E de deixar as coisas serem o que são
Gosto de palavras simples
De gestos casuais
De abacaxi com raspa de limão
De banho de mar para afogar sonhos
E de boa música para trazê-los todos de volta
É bom tê-los de volta
Juntar tudo na mochila
Calçar os tênis surrados
Vestir o velho jeans rasgado
E seguir caminhando

6 comentários:

Alice disse...

E eu gosto é de poesia. Poesia assim - escrita sem receio. João, Esse foi o poema mais belo que você já escreveu. Digo isso porque já li meio mundo e também já li muitos textos que você escreveu. I always knew you could do it. I'm glad and satisfied because of you.

E sobre os sonhos...

"É bom tê-los de volta
Juntar tudo na mochila
Calçar os tênis surrados
Vestir o velho jeans rasgado
E seguir caminhando."

(João Neto)

Cresceu e virou poeta.

Narradora disse...

Gostei muito do seu texto. Palavras simples e idéias claras, me deixou com uma cara de feliz...
Obrigada

Luci disse...

Assim como Narradora, também fiquei aqui, com cara de leiz, lendo essas palavras simples e doces, essas frases poéticas, líricas. Nossa, me senti eu aí no seu texto!!!

Valeu!

Bjo,

Luci:)))

Camilla Tebet disse...

Que lindo. Do que também se pode gostar, Sr. Policial Poeta. Lindo! Pode-se gostar também do que não se gosta, pense bem: há pouco comecei a comer feijão feito pela minha mãe, não gostava. Há pouco comecei a gostar de ficar em casa, que não gostava. Há pouco comecei a gostar de planos, o que não gostava. Uma lista imensa que seu poema inspira.
Lindo. Mais uma vez, lindo.

João Neto disse...

Puxa... assim fico todo sem graça, com tantos elogios...

Fico feliz que tenham gostado tanto. Bjos e abraços a todas!

Zélia Palmeira disse...

"E de deixar as coisas serem o que são"

João Neto

Poesia é a verdade do minuto revelado.Olhos para enxergar o que se esconde.É preciso que se saiba o que é para que coisas sejam o que são.O Ser é maior que o estar.Imensidão que transborda o ponto...

;)