11 de março de 2008

Chuva no Deserto

photo by Chuscli - deviantart.com


Mas, dona moça,
A idéia era essa desde o princípio
E quando seu sorriso ressurgiu
Em meio ao caos e a dor e a falta da esperança
Foi raio em noite sem lua
E foi sol em dia de chuva

Dona moça ficou temerosa
E, remoendo, pensou:
O que ele vai achar de mim?
Reputar-me-á como vulgar?
Ou apenas utilizará dos meus encantos e,
Por fim, lançar-me-á no lugar de choro e ranger de dentes?
Suportarei tê-lo e depois perdê-lo?
Saberei ser muitas?
Conseguirei ir querendo ficar e querendo ir e querendo ficar?

Não há com o que se preocupar, dona moça
Não há o que julgar
Nem o que muito pensar
Há de se aproveitar o que se tem
E temos muito, pois antes era deserto
E toda gota de chuva no chão seco faz surgir vida

6 comentários:

Zé Ricardo disse...

Coisa mais bonita sô! Meio sertão do cariri, meio escatológico. Mas principalmente tendo no amor e na natureza os elementos de completude da felicidade simples pro homem de qualquer lugar. Da terra ou do espaço.

Luci disse...

"E toda gota de chuva no chão seco faz surgir vida"

Toda gota de chuva é, sim, vida. A chuva é fértil. É purificadora. É necessária.

João, obrigada pela mensagem deixada no meu espaço. Também adoro o nome. Sem crase, no maior sentido de liberdade, meu caro.

Venha me visitar mais vezes.

Alice disse...

E toda hora é um poema do João. Quando vejo, já vem palavra e criação. Sempre soube que os poemas um dia irião surgir - como Chuva no Deserto ou em qualquer outro lugar. Mais um belo poema e nossos dias se completam.

E já não há mais chão seco
Se há poesia
Já temos tudo.

:)

Anônimo disse...

Vcs tem de tudo por aqui mesmo. Fiquei fã, virei sempre, com chuva ou sem. Com sol ou sem. Virei tentar ums goles por aqui.
Camilla tebet
www.essepapo.nafoto.net

Zélia Palmeira disse...

"Não há com o que se preocupar, dona moça
Não há o que julgar
Nem o que muito pensar
Há de se aproveitar o que se tem
E temos muito, pois antes era deserto
E toda gota de chuva no chão seco faz surgir vida"

João Neto

Nossos julgamentos são sempre folgados.Não cabem na realidade que enxergamos,muito menos em nossos pensamentos.O belo da vida é aproveitar cada momento em festa e toda gota de chuva há de molhar todo chão seco e fará surgir vida viva!

Só uma curiosidade caro colega escritor:quem é a Mulher que cabe em "dona moça"? :O Se é que eu posso perguntar... :D

João Neto disse...

KKKKKKKKKKK!!!!

A curiosidade matou o gato, dona Zélia! Mas, por outro lado, você já sabe... o Rock Star já havia levantado a lebre na casa da Alice.