31 de janeiro de 2008

Só o vento ecoa...


Mesmo assim tenho minhas dúvidas. Não se pode negar um fato, muito menos deletá-lo do seu dia. Agora é aprender a como conviver com essas paredes pintadas, com desenhos que nem mesmo sei como foram feitos. Foi tudo um traçar de linhas e de repente já estava lá. Vejo repetições, atitudes não mais que tentativas de manifesto em vão. Aqueles que um dia lutaram, já não lutam mais e esperam simplesmente pelo raiar do sol ou uma intervenção divina que possa dar rumo ás suas palavras perdidas. Pouco se pode esperar daquelas roupas velhas que não saem nem mais pra passear, e dos perfumes caros que um dia foi sinal de que a noite terminaria bem. Todo o corpo luta pra que suas tentativas não sigam o caminho da indiferença. E é aí nessa exata bifurcação que a mente permanece atenta. Sua alma ainda quer, seu coração ainda pulsa, seus olhos ainda procuram pela primeira imagem gravada daquele rosto brilhante parado em sua frente. Só o solêncio do vento ecoa, mas ouça o silêncio, que saberá o caminho certo.
Mattoso

5 comentários:

Zé Ricardo disse...

"Sua alma ainda quer, seu coração ainda pulsa, seus olhos ainda procuram pela primeira imagem gravada daquele rosto brilhante parado em sua frente"
Minha alma quer, mas a mente e o corpo parecem pertencer a um outro senhor. coisas banais, mas que acontecem. Seu texto cresceu muito, as palavras se encaixam bem, e caminham ecoando por ai... acho que não existe coisa melhor que isso.

RenataSantos disse...

PRIMOOOOOOOOO.....UMA FAMÍLIA DE ESCRITORES ???????????

QUE TAL O LIVRO: ANTOLOGIA DE UMA FAMÍLIA

O QUE ACHA ??????

DESCOBRI SEU BLOG NO BLOG DA LETÍCIA !

LER VC TB SERÁ UM HÁBITO AGORA !!!!!!

SABE O ENDEREÇO DO MEU BLOG ???

http://renatasantoscoisasdavida.blogspot.com

dá um pulo lá !!!!!!!!!!!!!!!!!!

bjo !!!!!!!!!!!!!!

João Neto disse...

"Todo o corpo luta pra que suas tentativas não sigam o caminho da indiferença." (Mattoso)

Anda lendo pensamentos?

Alice disse...

E de nossas dúvidas nascem outras formas de escrever e fazer história. :)

Zélia Palmeira disse...

"Pouco se pode esperar daquelas roupas velhas que não saem nem mais pra passear"

Mattoso

Por isso,não deixo roupa velha entulhando meu guarda-roupa.É um hábito já antigo...

;)