26 de janeiro de 2008

Tempestade


Um dia a gente faz planos. Depois ficamos frente a frente com aquilo que um dia idealizamos. Foram várias noites sonhando, desejando. Estava tudo planejado, todo o futuro parecia estar traçado, conquistado. Agora era só respirar fundo. Alívio. Pura enganação. Quem foi que disse que está tudo certo? Quem foi que disse que a gente pode colocar a cabeça no travesseiro e parar de sonhar? Lá fora a banda toca. Pessoas comemoram porque realizaram um sonho. Gritam, cantam, se divertem. Mas aqui dentro tá tudo tão vazio, silêncio. De repente todos os sonhos foram embora naquele vento que passou por aqui antes da chuva. Aquele vento que já anunciava a tempestade. Se eu soubesse, tinha fechado bem as janelas pra que nada saísse do lugar, pra que aquele vento não levasse meus sonhos, e nem bagunçasse a casa. Mas tem coisas que estão fora do nosso controle e a natureza é uma delas. Então a gente limpa, sonha, acorda, dorme, e lá vai a gente de novo abrir as janelas e se preparar pra próxima tempestade.
Mattoso

3 comentários:

Alice disse...

Adoro esses textos... já falei isso, mas eles me completam. Tem gente que acha que escreve bem demais e coloca a vida em um ângulo tão chato de se olhar. Essa simplicidade é que traz a novidade. Adorei.

Zélia Palmeira disse...

"...e lá vai a gente de novo abrir as janelas e se preparar pra próxima tempestade."

Mattoso

E é assim:dia-noite,alegria-tristeza,pobreza-riqueza,
bom-ruim,
gosto-desgosto,preto-branco,agora-amanhã...

Nada pode ser igual o tempo todo.Bom é termos força para mais "tempestades". ;)

João Neto disse...

"Um dia a gente faz planos. Depois ficamos frente a frente com aquilo que um dia idealizamos." (Mattoso)

Eu chamaria isso de hora da verdade. Ficarmos cara a cara com o projeto idealizado. A pergunta que não quer calar é: E Agora? Pior. Às vezes o tal projeto não sai de acordo com o script, e aí...