29 de abril de 2008

À Máquina

(Foto por Leah Jones - Deviantart.com)


Pegou o copo meio vazio
Ou meio cheio
Como preferirem os otimistas de plantão
No seu rosto, a face de poucos amigos
Arremessou o resto do cigarro pela janela
Acendeu outro
Que venha o câncer, o efisema, o enfarte
O que mais vier será de bom tamanho
Lamentável é não vir nada, não imaginar nada...
O que foi feito do horizonte?
Em que momento o céu deixou de ser azul?
Esse apito? Já é o trem partindo?
E essas cortinas, quem as baixou antes da hora?
De um lado para outro
Quarto pequeno, janela aberta para a poluição matinal
Pegou o copo, completamente vazio
E então, otimistas, o que dizer agora?
Encheu os olhos, encheu o copo
Testa franzida encostada na parede branca
Folha em branco
Mente em branco
Vida em branco
Máquina esperando
A velha ansiedade da primeira linha
Aquela que nunca quer sair
Que não quer brotar
Mas hoje não teremos conto natimorto
Sentou diante do carrasco travestido de máquina, escreveu
“Pegou o copo meio vazio...”

4 comentários:

Luci disse...

Primeiro, agradeço as palavras deixadas no meu espaço. Vc sim, sempre delicado. E agora, sobre esse magnífico texto que acabo de ler, chego à conclusão de que a inspiração nunca te escapoliu... Estava aí, o tempo todo...
Muito bom!

Bjo,

Luci:)))

Alice disse...

Se fosse o Quintana, ele não falaria tão negativamente do cigarro. Mas é um poema pessimista da melhor qualidade. Sofrimento da solidão. Por que não usufruir dos males que essa nossa amiga pode nos oferecer? Tudo que surgir na vida é de bom tamanho... eu concordo. Tem gente que passa a vida sendo tão feliz que não sabe fazer diferença entre porta fechada e porta aberta. Tudo é tão igual. Pessoas tão alegrinhas que dá até raiva. Esse poema me fez pensar nisso. Quero um copo meio vazio e depois que ele encher, se é que enche mesmo, fazer tempestade. E sofrer e ser feliz correndo riscos de ser triste a vida inteira. Poema do João parece crônica de nossa vida. Seu trabalho é cotidiano e eu vivo esperando o cotidiano acontecer.

Li ontem... comento com calma, depois de reler.

John, You've found the way.

Letícia Dos Dias

Rui Caetano disse...

Um belíssimo texto. muito interessante.

Dora disse...

Sem dúvida de que esta é uma forma bem poética de ser pessimista...
Um belo texto.
Abraço grande.